Domingo, 16 de Janeiro de 2022
28°

Trovoada

Vitória - ES

Política Panorama

As divergências do ninho tucano

No Espírito Santo, Dória contou com o apoio declarado e árduo do ex-vice-governador César Colnago

04/12/2021 às 10h14 Atualizada em 04/12/2021 às 10h46
Por: Agora ES
Compartilhe:
Foto: PSDB
Foto: PSDB

Luiz Fernando Brumana

Após prévias agitadas, para não dizer complicadas, o PSDB tem seu pré-candidato à presidência da República: João Dória, governador de São Paulo. O paulista venceu Eduardo Leite (Rio Grande do Sul) num processo que primava ressaltar a democracia interna à Estados Unidos que dispunha o ninho tucano, mas também evidenciou fissuras e repercutiu, obviamente, nas bases da sigla nos estados.

No Espírito Santo, Dória contou com o apoio declarado e árduo do ex-vice-governador César Colnago, filiado de alta plumagem e um dos fundadores da sigla. Dias antes da votação, ele chegou a fazer campanha maciça, ligando para lideranças do interior e da Grande Vitória pedindo votos para o paulista. Acertou na aposta. Com o resultado das prévias, esse comprometimento do capixaba, obviamente, resultará em pontos a seu favor e maior disposição do agora presidenciável em retribui-lhe o empenho, apoiando-o ao Palácio Anchieta.

"Dória tem competência e condição de fazer uma boa campanha, com certeza. O PSDB, nacionalmente, vai buscar inserção no Estado, com candidatura própria. Eu estou colocando meu nome como pré-candidato, mas quem define é o partido. Evidentemente, podemos ter outros tipos de arranjos, como alianças nacionais que refletem em outras candidaturas no Estado. Mas isso não está dado. O importante, neste momento, é o partido se fortalecer internamente", afirmou o ex-vice-governador, antes mesmo de saber o resultado das prévias do PSDB.

Estaria, assim, criado o palanque local tucano para Dória? Não, já que não há consenso no ninho. Os motivos da divergência, desta vez, são a conjuntura estadual de forças políticas e a relação que os parlamentares estaduais criaram com o atual governo.

"É natural do partido ter suas diferenças. Tem gente que é a favor e outros, não. O que não podem é me impedir de ser pré-candidato. É da regra do jogo", afirmou Colnago, ao ser questionado sobre barreiras internas que possa vir a enfrentar, o chamado fogo-amigo.

Enquanto isso, para consolidar-se, o ex-vice-governador passou a investir nas bases, circulando o interior nos finais de semana. Também dialogou com outros nomes que pleiteiam o governo do Estado, posicionando-se abertamente no tabuleiro eleitoral.

"Sabemos tratar as demais forças políticas em um processo eleitoral que pode ter segundo turno, nacionalmente. Conversei com todos os pré-candidatos. Foram conversas boas e todos reafirmaram suas pré-candidaturas. No decorrer do processo, algumas vão continuar e outras não", ressaltou.

Deputado estadual pela sigla, Marcos Mansur, por sua vez, lembrou que o PSDB tem três deputados estaduais que são da base do governo. "É claro que todos querem ser protagonistas. Não é diferente com o partido aqui. Mas isso depende de uma conjuntura, de questões ligadas à esfera estadual e nacional."

Sobre a predisposição de Colnago, afirmou: "Ele é uma pessoa muito competente. Já demonstrou isso quando ocupou cargos públicos. É um direito dele colocar o seu nome à disposição. Isso engrandece o partido. É um movimento particular, um direito dele e deve ser respeitado."

Para Mansur, os conflitos internos são "questões pontuais, que já estão sendo dirimidas. É o que se vê agora, após as prévias. Acredito que, em breve, todas serão resolvidas. O PSDB é um partido pacífico e ordeiro."

À frente da Executiva estadual da legenda está o deputado estadual Vandinho Leite. Segundo informações de bastidores, teria ficado ao lado de Eduardo Leite nas prévias e, dentre os grupos internos, também não está tão próximo de Colnago, a quem sucedeu na presidência partidária.

Além disso, tem instituído uma boa relação com Renato Casagrande (PSB), que concorrerá à reeleição. Vale ressaltar que, como presidente partidário, é dele a função de sentar na mesa de negociações. Vandinho não respondeu aos contatos feitos pela coluna durante toda a semana para comentar o assunto.

CONFIRA A EDIÇÃO 53 DO AGORA ES

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.
500 caracteres restantes.
Comentar
Mostrar mais comentários